• Redação

Grêmio vence nos pênaltis e pega um Corinthians embalado

Gurias na decisão!

GRÊMIO ELIMINA O FLAMENGO NOS PÊNALTIS E VAI À FINAL DA SUPERCOPA FEMININA


Confronto equilibrado no Rio foi marcado por chances claras dos dois lados e grande atuação da goleira Lorena


Deu Tricolor no clássico! Os torcedores gremistas que foram ao Estádio Luso Brasileiro na tarde desta quarta-feira não se arrependeram da longa viagem ao Rio de Janeiro. Em jogo emocionante e equilibrado, Flamengo e Grêmio empataram em 1x1, levando a decisão para os pênaltis. A goleira Kaká fez grande defesa na cobrança de Tchula, que ainda resvalou na trave, mas Anny Marabá e Monalisa desperdiçaram suas cobranças e o placar de 4x3 garantiu as Gurias Gremistas na decisão.


O JOGO


O Flamengo contou com o apoio de sua torcida em casa, que cantava alto para empurrar o time desde o início da partida. Nos minutos iniciais, as Meninas da Gávea pressionaram muito a defesa tricolor. Após interceptar a saída de bola gremista, o Rubro-Negro chegou na área logo aos trinta segundos, mas a arbitragem assinalou impedimento de Cris. No lance seguinte, em nova roubada de bola, Duda tentou o passe, a zagueira Pati Maldaner não conseguiu dominar e a bola sobrou limpa para Darlene na entrada da área, de frente para Lorena, mas a capitã chutou para fora.


Aos quatro minutos, o Flamengo teve outra chance após belo lançamento longo de Duda para Leidi, que chegou batendo forte, mas parou em grande defesa de Lorena. Na cobrança de escanteio, a zagueira Cida recebeu sozinha, mas errou a finalização e mandou por cima do gol. Na segunda chance, ela não perdoou: após cobrança de falta na lateral direita, Lorena não conseguiu cortar o cruzamento. Livre dentro da área, Cida bateu de chapa, encobrindo a defesa e fazendo a bola morrer no fundo da rede.

A falta de entrosamento, especialmente no posicionamento defensivo, castigou os dois times nos minutos iniciais. Após sofrer o gol, o Grêmio começou a pressionar e tomou o controle da partida, aproveitando espaços do lado direito da defesa rubro-negra e levando muito perigo à meta da goleira Kaká. Na chance mais clara, Luany roubou a bola na defesa do Flamengo e chutou forte. A goleira Kaká deu rebote e Laís Estevam quase chegou para completar.


O Flamengo só voltou ao ataque aos 15 minutos, quando Gisseli aproveitou a sobra e chutou de primeira, no meio, para defesa tranquila de Lorena. A pressão gremista surtiu efeito: aos 19, Pati Maldaner aproveitou a bola parada para lançar na área, a defesa rubro-negra bateu cabeça e Jéssica Soares ficou com a sobra para igualar o placar.


O Tricolor seguiu no ataque em busca da virada nos minutos seguintes, até o Fla retomar o domínio das ações ofensivas no fim da primeira etapa. Aos 38, Darlene deixou Maria Alves de frente com Lorena, mas a atacante adiantou demais no domínio. Outra chance clara para as Meninas da Gávea aos 46: Kaylane encontrou Darlene na área e a capitã encobriu Lorena, mas Paty Maldaner tirou a bola em cima da linha.


Brilha, Lorena


A segunda etapa foi ainda mais equilibrada, com grandes oportunidades desperdiçadas pelas duas equipes, mas Lorena se destacou por suas defesas difíceis. O Flamengo voltou com tudo do intervalo, chegando com muito perigo por três vezes nos primeiros dois minutos. Na primeira delas, Maria Alves lançou para Darlene, que arriscou de fora da área, mas Lorena fez grande defesa. Na sequência, Duda recebeu belo passe de Darlene dentro da área e chutou forte em cima da arqueira gremista.


O rubro-negro furou a muralha tricolor aos sete minutos. Kika Brandino cruzou na área e, no chute de Darlene, a bola sobrou para Monalisa, que balançou as redes em posição legal, mas o impedimento foi marcado. Na sequência, Cris acionou Gisseli na grande área, e a lateral chutou forte no travessão.


Para reequilibrar as forças, a técnica Patrícia Gusmão tirou a atacante Cássia e acionou a volante Tchula. O Tricolor voltou a criar. Aos 29, Luany recebeu sozinha na entrada da área do Flamengo, avançou e chutou para fora. Aos 33, uma bola lançada na área do Flamengo foi direto na trave e, no rebote, Dani Barão também errou a direção.


O Flamengo contra-atacou com Anny Marabá, que chegou a invadir a área, mas a zaga jogou para escanteio. Aos 39, Marabá recebeu ótimo passe de Darlene e chutou rasteiro, para grande defesa de Lorena. Já nos acréscimos, Jéssica afastou mal e a bola quase sobrou para Marabá, mas Lorena se antecipou e ficou com ela. No último lance, Dani Barão driblou duas rubro-negras, se aproximou da área e chutou sem força.


No detalhe


Inaugurando as penalidades, Duda bateu alto no canto direito de Lorena, sem chance de defesa. Da mesma forma, Pri Back igualou para o Grêmio. Na cobrança de Kika Brandino, ex-Grêmio, Lorena chegou a tocar na bola, mas a batida forte acabou nas redes. Dani Ortolan, ex-Flamengo, deslocou Kaká, batendo forte e com categoria no canto esquerdo da goleira rubro-negra.

Na sequência, Anny Marabá bateu sem muita força no canto direito de Lorena, que defendeu. Em seguida, Kaká fez grande defesa na cobrança de Tchula, que ainda resvalou na trave, empatando a disputa para o Flamengo. Monalisa teve a chance de recolocar o rubro-negro à frente, mas isolou.


Jéssica Soares, que já tinha balançado as redes no tempo regulamentar, repetiu a dose, batendo no meio do gol. Darlene, com categoria, deslocou Lorena e bateu alto no canto direito, mantendo o Flamengo vivo na disputa. As Meninas da Gávea precisavam que Caty desperdiçasse sua cobrança para tentar virar o jogo nas batidas alternadas, mas a gremista deslocou Kaká e bateu no canto esquerdo rasteiro, carimbando o passaporte das Gurias para a decisão do torneio.

Flamengo e Grêmio duelaram por vaga na decisão da Supercopa Feminina Créditos: Marcelo Cortes / CRF

Em busca de mais uma taça

CORINTHIANS VENCE O REAL BRASÍLIA POR 2 A 0 E VAI À DECISÃO DA SUPERCOPA FEMININA


Timão contou com gols de Jheniffer e Liana Salazar para garantir a classificação


Deu Timão na Arena Barueri! Nesta quarta-feira, o Corinthians derrotou o Real Brasília por 2 a 0 e garantiu sua classificação para a final da Supercopa do Brasil de Futebol Feminino. Jheniffer e Liana Salazar marcaram os gols do Timão, que teve outro motivo para comemorar: a estreia de Ellen, de apenas 17 anos. Foi a primeira vez que uma jogadora da base do clube foi promovida à equipe principal.


O JOGO


Líder do Ranking Nacional de Clubes 2022, o Corinthians teve o domínio da partida, mas não encontrou facilidade para furar a forte marcação do Real Brasília. Bem organizadas defensivamente e em preparação desde o início de dezembro, as brasilienses impuseram intensa marcação nos minutos iniciais. A primeira chance mais clara do Timão veio aos 16 minutos, após belo passe de primeira de Tamires para Gabi Zanotti. A atacante invadiu a área e tocou por cima da goleira Dida, que executou leve e providencial desvio.


Cinco minutos depois, Adriana construiu grande jogada pela direita, driblando a marcação e cortando para finalizar de perna esquerda. Dida fez grande defesa e Tamires não alcançou o rebote. O time continuou a levar muito perigo. Aos 28, desta vez pela esquerda, mais um belo passe de Tamires encontrou Yasmin, que foi à linha de fundo e cruzou na cabeça de Jheniffer, que finalizou para fora.

Corinthians e Real Brasília se enfrentaram na semifinal da Supercopa Feminina Créditos: Rodrigo Gazzanel / Agência Corinthians

No lance seguinte, Tamires inverteu para Adriana servir Gabi Zanotti de primeira. A camisa 10 bateu forte, deslocando a goleira, mas a bola explodiu no travessão. Mais pressão do Corinthians, desta vez com Adriana, de fora da área, parando em outra grande defesa de Dida. Aos 39, o Timão furou o bloqueio brasiliense: Tamires brigou pela bola no alto, Carol errou o corte e Adriana pegou a sobra, arriscando em cima da defesa. Jheniffer aproveitou o rebote e balançou as redes.


Pressão total


O Corinthians voltou do intervalo com a marcação adiantada, obrigando o Real Brasília a forçar passes. Deu certo: aos cinco minutos, o time roubou a bola no campo de ataque. A capitã Tamires invadiu a área, atraindo as defensoras e tocando para trás no tempo exato para Salazar, que chegava livre para fazer seu primeiro gol com a camisa alvinegra.


O Timão quase ampliou aos 19, mas parou no milagre de Dida após a finalização de Bianca. Jaqueline ficou com o rebote, mas mandou para fora. Aos 24, Bianca arriscou da meia lua, mas parou na goleira do Real Brasília novamente.

O Corinthians continuou a criar chances, manter a posse de bola e administrar o resultado até o fim da partida, sem dar chances ao adversário. Com vaga garantida na grande decisão, a Fiel agora se prepara para apoiar o time em busca de mais uma taça diante do Grêmio, no próximo domingo, às 10h30 (horário de Brasília).

2 views0 comments