• Vranlei Correa

GUIA DA UEFA CHAMPIONS LEAGUE

A PARTIR DO DIA 14 DE SETEMBRO, AS TARDES NÃO SERÃO MAIS AS MESMAS PARA QUEM É APAIXONADO PELO FUTEBOL EUROPEU.

A taça mais cobiçada da Europa. (Foto: Divulgação/@uefachampionsleague)

Segundo as culturas de vários países, setembro é um mês de renascimento, de renovar as esperanças no que há por vir. Também marca o início da primavera, da volta do sol e dos campos floridos, após um agosto tenebroso e chuvoso. No futebol, este mês marca o início da principal competição de clubes do planeta, a Liga dos Campeões da Uefa.


A partir dos dias 14 e 15 de setembro, os fãs de futebol terão a oportunidade de desfrutar do que há de melhor nos gramados europeus. É também uma das primeiras oportunidades de peso para ver como Messi e Cristiano Ronaldo estarão se saindo em seus novos clubes, assim como o desenho que os técnicos escolheram para os seus esquemas táticos. Motivos não faltam para grudar os olhos na tela.


A final está marcada para o dia 28 de maio de 2022. Quem terá bala na agulha para chegar nessa data à Gazprom Arena, em São Petersburgo?


GRUPO A - A Obsessão dos Magnatas

Com donos bilionários bancando os clubes, resta saber qual projeto chegará mais longe.


MANCHESTER CITY

Manchester, Inglaterra


Participações: 12

Melhor campanha: Vice-campeão (2021)

Temporada passada: Vice-campeão

Estádio: Etihad Stadium (55.017 lugares)

Técnico: Josep Guardiola - ESP

Principais chegadas: J. Grealish (A. Villa) / Kayky (Fluminense)

Principais saídas: S. Agüero (Barcelona) / E. García (Barcelona) / L. Nmecha (Wolfsburg) / J. Harrison (Leeds)


O sonho dourado da conquista escapou por detalhes na temporada passada. Para não sofrer com a falta de efetividade no ataque de novo, os Citiziens investiram muito dinheiro para contratar Jack Grealish, do Aston Villa. Os torcedores esperam que a taça não escape dessa vez.


Esquema base: 4-3-3

Ponto Forte: Posse de bola. Uma das características mais marcantes dos times de Pep Guardiola é o controle absoluto da bola, rodando ela de um lado ao outro, até surgir a oportunidade perfeita para concretizar ao gol.


Ponto Fraco: Recomposição defensiva. Por vezes, o time é pego de "calças curtas", sofrendo muito contra times que possuem um excelente contra-ataque em seu portfólio.


Esse é o cara: Kevin De Bruyne. Com sua visão apurada, passes certeiros e um bom chute de fora da área, o belga comanda as ações do meio-campo azul.


Olho nele: Após ser um dos destaques da Inglaterra na Euro 2020, Jack Grealish chega para ser o dono da ponta esquerda do time. Veremos se o novo camisa 10 cumprirá todas as expectativas em torno dele.


Palpite: É um dos favoritos ao título e deve passar sem sustos pela fase de grupos, definindo contra o PSG quem deve ser o primeiro da tabela. Resta saber se confirmará o seu favoritismo nos mata-matas.


PARIS SAINT-GERMAIN

Paris, França


Participações: 15

Melhor campanha: Vice-campeão (2020)

Temporada passada: Semifinal

Estádio: Parc des Princes (49.691 lugares)

Técnico: Mauricio Pochettino - ARG

Principais chegadas: L. Messi (Barcelona) / S. Ramos (R. Madrid) / A. Hakimi (Inter) / G. Wijnaldum (Liverpool) / N. Mendes (Sporting) / G. Donnarumma (Milan)

Principais saídas: M. Bakker (Leverkusen) / A. Areola (West Ham)


A nova "era dos galácticos" está de endereço novo, e se encontra em Paris, na França. Em um verão bem movimentado e sem gastar quase nada, os parisienses trouxeram Messi, Donnarumma, Sérgio Ramos e Wijnaldum. Os torcedores estão ansiosos para verem o que este time estelar pode conquistar.


Esquema base: 4-3-3.

Ponto forte: Ataque. É o setor que conta com os nomes mais badalados do clube, como Mbappé, Neymar, Icardi, Di María e agora Lionel Messi. Pode esperar muitos gols vindos dessa turma.


Ponto fraco: Laterais. É o calcanhar de Aquiles há tempos na defesa parisiense. Nesta temporada, as apostas caem em Nuno Mendes e Hakimi para serem os donos da posição.


Esse é o cara: Marquinhos. Entre os tantos nomes badalados da equipe, o zagueiro brasileiro é o capitão e pilar do sistema defensivo francês. Vai para mais uma temporada sendo considerado um dos melhores do mundo.


Olho nele: Após defender apenas uma camisa durante a maior parte da carreira, todos vão querer acompanhar os passos de Lionel Messi em seu novo clube. O craque argentino tem a responsabilidade de liderar a equipe em busca da sua primeira conquista.


Palpite: É um dos superfavoritos à conquistar a taça. Deve passar sem sustos pela fase de grupos e ser uma figurinha carimbada nas fases mais agudas da competição.


RB LEIPZIG

Leipzig, Alemanha


Participações: 4

Melhor campanha: Semifinal (2020)

Temporada passada: Oitavas de final

Estádio: Red Bull Arena (42.146 lugares)

Técnico: Jesse Marsch - EUA

Principais chegadas: André Silva (Frankfurt) / J. Gvardiol (D. Zagreb) / M. Simakan (Strasbourg)

Principais saídas: D. Upamecano (Bayern) / M. Sabitzer (Bayern) / I. Konaté (Liverpool) / A. Lookman (Leicester)


Esta será uma temporada de renovação para os Touros Vermelhos. Depois de algumas temporadas de destaque, o time principal perdeu jogadores importantes e precisará de tempo para que as novas estrelas consigam se encaixar e render frutos.

Esquema base: 4-2-3-1

Ponto forte: Chutes de longa distância. A equipe possui jogadores que tem um chute calibrado e potente. Então, não se surpreenda quando um espaço se abrir e alguém experimentar a segurança do goleiro adversário.


Ponto fraco: Defesa Central. Com a saída da dupla de zagueiros titular, a equipe alemã têm sofrido muitos gols nesse começo de temporada, seja por baixo ou por bola aérea. É o setor mais crítico do time.


Esse é o cara: Emil Forsberg é o dono do meio-campo dos Touros Vermelhos. O camisa 10 sueco tem liberdade para se movimentar e de vez em quando deixa os seus gols.


Olho nele: Dominik Szoboszlai é a grande aposta para ser o grande craque do time no futuro. Chegou na temporada passada, mas foi atrapalhado por lesões. Agora o húngaro terá a chance de provar o seu talento desde o início da temporada.


Palpite: A concorrência para ir à próxima fase da competição é desleal demais, tamanha a disparidade dos elencos. Deve brigar com o Brugge pelo 3° lugar, que vai à Liga Europa.


CLUB BRUGGE KV

Brugge, Bélgica


Participações: 16

Melhor campanha: Vice-campeão (1978)

Temporada passada: Fase de grupos

Estádio: Jan-Breydel-Stadion (29.062 lugares)

Técnico: Philippe Clement - BEL

Principais chegadas: K. Sowah (Leicester) / S. Nsoki (Nice) / N. Lang (Ajax) / Wesley (A. Villa) / F. Maouassa (Rennes)

Principais saídas: O. Kossounou (Leverkusen) / E. Dennis (Watford) / E. Horvath (N. Forest)


O campeão belga vem a mais uma edição de Champions para ser coadjuvante. O clube esperava um sorteio mais favorável, porém, a torcida deve fazer muita festa ao receber jogadores do calibre de Messi e De Bruyne em seu estádio.


Esquema base: 5-3-2

Ponto forte: Velocidade. A equipe belga é muito veloz nas suas transições ofensivas, por vezes usando dos lançamentos longos para os pontas ganharem na corrida dos adversários e saírem na cara do gol.


Ponto fraco: Bola aérea. O time sofre muito quando os adversários usam dos cruzamentos para chegar à sua meta. O time não dispõe de bons cabeceadores defensivos.


Esse é o cara: O holandês Ruud Vormer é quem comanda as ações no meio-campo belga. No clube desde 2014, o capitão é o motorzinho da equipe, ajudando tanto na defesa, destruindo as jogadas, quanto no ataque, marcando os seus gols.


Olho nele: N. Lang veio na temporada por empréstimo e se saiu muito bem, tanto que os belgas exerceram a sua compra junto ao Ajax. Nesta temporada, vem apresentando um bom desempenho, com 4 gols marcados.


Palpite: Deu o azar de cair no grupo com dois candidatos diretos à conquista da taça e um time bastante encardido. Deve brigar com o RB Leipzig pela vaga à Liga Europa.


GRUPO B - O peso da história

No "grupo da morte", teremos a certeza que um gigante ficará pelo caminho.


ATLÉTICO DE MADRID

Madrid, Espanha


Participações: 17

Melhor campanha: Vice-campeão (1974 - 2014 - 2016)

Temporada passada: Oitavas de final

Estádio: Wanda Metropolitano (68.456 lugares)

Técnico: Diego Simeone - ARG

Principais chegadas: R. de Paul (Udinese) / M. Cunha (H. Berlim) / A. Griezmann (Barcelona) / B. Lecomte (Mônaco)

Principais saídas: Saúl (Chelsea) / N. Ibáñez (Pachuca) / F. Montero (Besiktas)


O atual campeão espanhol vem mais reforçado do que nunca em busca da sua primeira taça. Depois de um verão movimentado, Diego Simeone tem à sua disposição jogadores de qualidade para incorporar o seu novo esquema e buscar o domínio europeu.


Esquema base: 3-5-2

Ponto forte: Alas. No novo esquema de Diego Simeone, os alas tem participação fundamental para a criação das principais chances da equipe, seja com jogadas de linha de fundo, ou com infiltrações.


Ponto fraco: Defesa. O que antes era a fortaleza do time, hoje não trás tanta segurança assim. Os Colchoneros vem sofrendo muito para encontrar a consistência defensiva e evitar os gols bobos que vem tomando.


Esse é o cara: Jan Oblak é um dos melhores goleiros do mundo e ninguém tem dúvidas disso. O esloveno está no auge da forma e continua operando seus milagres para salvar à meta Colchonera.


Olho nele: Num movimento surpreendente de mercado, a diretoria conseguiu trazer Antoine Griezmann de volta ao clube, menos de dois anos depois da sua saída para o Barcelona. Será se o atacante francês reencontrará o seu bom futebol, aquele que o fez um dos melhores do mundo?


Palpite: O atual campeão espanhol tem um leve favoritismo perante os seus concorrentes de grupo para ficar com a vaga na próxima fase, por dispor de mais opções no elenco, o que pode decidir as partidas duras que terá pela frente. Nos mata-matas, se tiver um caminho acessível, pode beliscar uma vaga nas semifinais.


LIVERPOOL FC

Liverpool, Inglaterra


Participações: 26

Melhor campanha: Campeão (1977 - 1978 - 1981 - 1984 - 2005 - 2019)

Temporada passada: Quartas de final

Estádio: Anfield (54.074 lugares)

Técnico: Jürgen Klopp - ALE

Principais chegadas: I. Konaté (RB Leipzig)

Principais saídas: H. Wilson (Fulham) / X. Shaqiri (Lyon) / M. Grujic (Porto) / G. Wijnaldum (PSG)


Depois do título histórico em 2019, os Reds vem tendo campanhas aquém do seu potencial. Nesta temporada, o clube da terra dos Beatles se reforçou na sua área mais crítica e espera que as lesões não atrapalhem a caminhada do time na competição.

Esquema base: 4-3-3

Ponto forte: Contra-ataque. Dispor de opções como Mané, Salah, Firmino e Jota, e sendo bem municiados por Alexander-Arnold e Robertson, os Reds possuem uma transição ofensiva muito rápida, que por vezes garantem muitas chances criadas e gols para a equipe.


Ponto fraco: Defesa Central. Tá certo que ter Virgil van Dijk na defesa trás segurança, mas o grande problema é encontrar um parceiro ideal para o holandês. Dos jogadores que fazem parceria com ele, o menos ruim é Joe Gómez, mas ele está lesionado. Caberá a J. Matip segurar a bronca.


Esse é o cara: Moh Salah é a grande estrela da companhia. O ponta egípcio é um daqueles jogadores chatos, que inferniza a defesa, não desiste das jogadas, é muito veloz e tem uma canhota letal.


Olho nele: A grande contratação da janela veio justamente para resolver o problema na defesa. Porém, vai demorar um pouco para o torcedor ver Ibrahim Konaté no time titular.


Palpite: O gigante inglês deve brigar ponto a ponto com o Atlético de Madrid pelo primeiro lugar do grupo. A partir dos mata-matas, se dispor do time titular saudável, deve ser osso duro de roer e pode beliscar até uma semifinal.


FC PORTO

Porto, Portugal


Participações: 34

Melhor campanha: Campeão (1987 - 2004)

Temporada passada: Quartas de final

Estádio: Estádio do Dragão (50.399 lugares)

Técnico: Sérgio Conceição - POR

Principais chegadas: M. Grujic (Liverpool) / Pepê (Grêmio) / Wendell (Leverkusen)

Principais saídas: M. Marega (Al Hilal) / C. Awaziem (Boavista)


O clube português vinha a passos largos para uma campanha histórica na temporada passada, pena que o futuro campeão Chelsea atravessou o seu caminho. Nesta temporada, os Dragões confiam no talento dos sul-americanos fazerem novamente uma boa campanha.

Esquema base: 4-4-2

Ponto forte: Pressão constante. Os portugueses sobem muitos as suas linhas e sufocam os seus adversários, e quase sempre conseguem roubar a bola no campo ofensivo, ocasionando em muitas chances de gol.


Ponto fraco: Recomposição defensiva. Por vezes, o time todo sobe para pressionar, sem fazer a cobertura corretamente, deixando a linha defensiva exposta.


Esse é o cara: Otávio tem sido o pilar do meio-campo português. O brasileiro alia técnica, bom passe e um bom chute de fora da área, além de ser um dos donos da bola parada do time.


Olho nele: A nova aposta do clube português é o brasileiro Pepê, recém contratado do Grêmio. O jogador veio para disputar posição com o colombiano Díaz.


Palpite: O clube português tem um estilo de jogo bastante agressivo e, contra clubes do porte de Liverpool, Atlético de Madrid e Milan, isso pode ser fatal. Deve brigar ponto a ponto com os italianos pela vaga na Liga Europa.


AC MILAN

Milão, Itália


Participações: 29

Melhor campanha: Campeão (1963 - 1969 - 1989 - 1990 - 1994 - 2003 - 2007)

Temporada passada: Não participou

Estádio: Giuseppe Meazza (75.923 lugares)

Técnico: Stefano Pioli - ITA

Principais chegadas: M. Maignan (Lille) / O. Giroud (Chelsea) / F. Tomori (Chelsea) / J. Messias (Crotone) / T. Bakayoko (Chelsea) / B. Díaz (R. Madrid)

Principais saídas: D. Laxalt (D. Moscow) / G. Donnarumma (PSG) / H. Çalhanoglu (Inter) / M. Caldara (Venezia)


Depois de um longo tempo de espera, o Milan está de volta à Liga dos Campeões. Este é mais uma etapa que o Diavolo terá que enfrentar para retomar aos tempos de glória. E o sorteio não foi nada agradável com os italianos, colocando-os no "grupo da morte". Esta será uma experiência fundamental para os jovens jogadores.

Esquema base: 4-2-3-1

Ponto forte: Pontas. No esquema de Pioli, parte do jogo passa pela transição em velocidade dos pontas Rafael Leão e Saelemaekers, que recebem a bola com campo aberto e partem pra cima dos adversários.


Ponto fraco: Criação de jogadas. O Milan tem muitas dificuldades de criar oportunidades contra times bem fechados defensivamente. A aposta do clube para mudar essa situação está em Brahim Díaz, vindo do Real Madrid.


Esse é o cara: Rafael Leão vem crescendo muito de produção com a camisa do Diavolo. Desde 2019 no clube, foi um dos responsáveis por trazer o clube de volta à Champions League.


Olho nele: O seu desempenho na temporada passada valeu o investimento do clube para manter a sua permanência. Agora vestindo a camisa 10, Brahim Díaz terá que jogar como nunca para os italianos terem chance de passar à próxima fase.


Palpite: Depois de 7 anos afastado da principal competição europeia, o Milan deu azar de cair no grupo da morte. Deve lutar com todas as suas forças para tentar buscar uma vaga na Liga Europa.


GRUPO C - Equilíbrio de forças

Com leve favoritismo para o Borussia Dortmund, a briga deve ficar mesmo para a segunda vaga.


SPORTING CP

Lisboa, Portugal


Participações: 18

Melhor campanha: Quartas de final (1983)

Temporada passada: Não participou

Estádio: José Alvalade XXI (50.080 lugares)

Técnico: Rúben Amorim - POR

Principais chegadas: P. Sarabia (PSG) / R. Vinagre (Wolves) / R. Esgaio (Braga) / M. Ugarte (Famalicão)

Principais saídas: N. Mendes (PSG) / L. Maximiano (Granada) / J. Misic (D. Zagreb)


O atual campeão português retorna à principal competição europeia depois de 4 temporadas, e espera fazer bonito na competição. O sorteio foi bem favorável e, se tudo ocorrer dentro do esperado, deverão assegurar a vaga à próxima fase.

Esquema base: 3-4-2-1

Ponto forte: Velocidade. O Leões exploram bem a velocidade dos seus alas e a movimentação do seu trio de ataque. As principais chances vem de jogadas rápidas de contra-ataque.


Ponto fraco: Saída de bola. Por vezes, o trio de zagueiros se complica na saída de bola, forçando passes e entregando o ouro. Se enfrentarem times com pressão alta, podem colocar a equipe em apuros.


Esse é o cara: Coates é o pilar do sistema defensivo leonino. O zagueiro uruguaio é excelente no jogo aéreo e transmite a segurança necessária para a equipe.


Olho nele: Jovane Cabral foi uma das gratas surpresas que apareceram no elenco campeão da temporada passada. O ponta esquerda é rápido, driblador e conta com uma boa finalização.


Palpite: Os portugueses vem empolgados após a conquista histórica do campeonato nacional na temporada passada. E agora com a volta do público, a euforia aumenta e se jogarem tudo que sabem, são candidatos à segunda vaga do grupo.


BORUSSIA DORTMUND

Dortmund, Alemanha


Participações: 19

Melhor campanha: Campeão (1997)

Temporada passada: Quartas de final

Estádio: Signal Iduna Park (81.365 lugares)

Técnico: Marco Rose - ALE

Principais chegadas: D. Malen (PSV) / G. Kobel (Stuttgart) / M. Pongracic (Wolfsburg)

Principais saídas: J. Sancho (M. United) / T. Delaney (Sevilla) / L. Balerdi (O. Marselha)


A campanha na temporada passada começou cheio de expectativas, foi bem turbulenta e terminou de maneira melancólica, com a derrota nas quartas de final para o Manchester City. Nesta temporada, a equipe passa por uma evidente reestruturação, e confia no talento de Erling Haaland para ir longe na competição.

Esquema base: 4-3-1-2

Ponto forte: Ataque. A dupla formada por Erling Haaland e Marco Reus tem rendido bons frutos para os Aurinegros. A chegada de Malen promete elevar o patamar do ataque da equipe.


Ponto fraco: Defesa. Os alemães sempre sofreram com a sua linha defensiva e com um goleiro que não inspira confiança. Neste início de temporada, a equipe vem tomando gols além da conta. É um dos pontos críticos que Marco Rose terá que solucionar.


Esse é o cara: Desde que chegou ao Signal Iduna Park, os torcedores já sabiam o que esperar de Erling Haaland. E o norueguês não tem decepcionado, marcando gols a rodo. É titular incontestável da equipe.


Olho nele: Donyell Malen chegou para ser o parceiro ideal de Haaland no ataque. O atacante holandês alia velocidade, boa movimentação e um chute potente. Ainda não marcou gol nesta temporada.


Palpite: É o grande favorito do grupo, e deve passar com sobras. Na próxima fase, dependerá de um sorteio favorável para conseguir seguir adiante na competição. Pode beliscar uma quartas-de-final.


AJAX AMSTERDÃ

Amsterdã, Países Baixos


Participações: 32

Melhor campanha: Campeão (1971 - 1972 - 1973 - 1995)

Temporada passada: Fase de grupos

Estádio: Johan Cruijff Arena (54.990 lugares)

Técnico: Erik ten Hag - HOL

Principais chegadas: M. Daramy (Copenhagen) / S. Berghuis (Feyenoord) / R. Pasveer (Vitesse)

Principais saídas: L. Traoré (Shakhtar) / N. Lang (Brugge) / K. Scherpen (Brighton) / J. Ekkelenkamp (H. Berlim)


O gigante holandês tem tido participações bem tímidas na última década, sendo as semifinais de 2019 um ponto fora da curva. E mais uma vez a equipe caiu em um grupo complicado, e terá que lutar com todas as suas forças para alcançar à próxima fase.


Esquema base: 4-2-3-1

Ponto forte: Pontas. As principais jogadas ofensivas da equipe vem dos lados do campo. Seja na direita com David Neres e Antony, ou seja na esquerda com Tadic, os pontas usam da sua velocidade e da boa qualidade técnica para infernizar as defesas rivais.


Ponto fraco: Volantes. Excelentes na construção, mas deixam a desejar na destruição das jogadas. A titularidade de Alvarez tenta concertar um pouco esta situação.


Esse é o cara: Dusan Tadic é a referência técnica do time. Seja caindo pela esquerda ou pelo meio, o sérvio é o grande garçom da equipe, sempre deixando os seus companheiros em situações favoráveis para marcar.


Olho nele: Ryan Gravenberch vem ganhando cada vez mais espaço na equipe titular. Dono de um passe refinado e boa visão de campo, têm ajudado muito na construção das jogadas ofensivas do time.


Palpite: Apesar de toda a sua tradição na competição, o elenco têm sofrido bastante com as lesões, o que impossibilita a equipe de sonhar alto. Brigará ponto a ponto com o Sporting pela segunda vaga, mas deve ir mesmo à Liga Europa.


BESIKTAS JK

Istambul, Turquia


Participações: 17

Melhor campanha: Quartas de final (1987)

Temporada passada: Não participou

Estádio: Vodafone Park (41.188 lugares)

Técnico: Sergen Yalcin - TUR

Principais chegadas: R. Ghezzal (Leicester) / F. Montero (A. Madrid) / M. Batshuayi (Chelsea) / M. Pjanic (Barcelona) / Alex Teixeira (Passe Livre)

Principais saídas: V. Aboubakar (Al-Nassr)


O Besiktas volta à Liga dos Campeões depois de quatro temporadas e se reforçaram muito para fazerem bonito na competição. Os turcos confiam na pressão da torcida em Istambul para conseguirem avançar à próxima fase.


Esquema base: 4-2-3-1

Ponto forte: Meio-campo. É o setor que dispõe de maior talento na equipe, com Pjanic, Alex Teixeira, Özyakup, Souza, Ljajic e Ghezzal.


Ponto fraco: Goleiro. O Besiktas sempre sofreu com a falta de segurança em baixo das traves. Destanoglu é o nome da vez para tentar mudar esta escrita.


Esse é o cara: Domagoj Vida é um dos pilares da equipe turca. Podendo jogar em todas as posições da defesa, o croata tem muita disposição, força física e não tem medo de sujar o uniforme.


Olho nele: Depois de ser convidado a se retirar do Barcelona, Miralem Pjanic está de casa nova. Esta é a oportunidade perfeita para o meia bósnio provar que os catalães erraram ao dispensá-lo.


Palpite: Dos integrantes do grupo, é o menos cotado a avançar de fase. Mas, se souberem usar a seu favor o fator casa e conseguirem alguns pontos fora, podem pintar como surpresa na competição. Ficará na lanterna do grupo.



GRUPO D - É muita coincidência

Pela segunda temporada consecutiva, espanhóis, italianos e ucranianos estão no mesmo grupo.


INTER MILANO

Milão, Itália


Participações: 22

Melhor campanha: Campeão (1964 - 1965 - 2010)

Temporada passada: Fase de grupos

Estádio: Giuseppe Meazza (75.923 lugares)

Técnico: Simone Inzaghi - ITA

Principais chegadas: H. Çalhanoglu (Milan) / D. Dumfries (PSV) / E. Dzeko (Roma) / J. Correa (Lazio) / M. Darmian (Parma)

Principais saídas: R. Lukaku (Chelsea) / A. Hakimi (PSG) / M. Politano (Napoli) / D. Padelli (Udinese)


Responsável por quebrar a hegemonia da Juventus na Itália, agora o objetivo da Inter é tentar reconquistar o domínio europeu. Para isso, terá que fazer melhor do que na temporada passada, na qual ficou na fase de grupos. Apesar das perdas de jogadores importantes, conseguiu algumas contratações que não deixam o nível da equipe cair.

Esquema base: 3-5-2

Ponto forte: Defesa Central. Com o trio defensivo formado por de Vrij, Skriniar e Bastoni, os italianos tem em seu trunfo uma defesa praticamente intransponível.


Ponto fraco: Alas. Por vezes, é comum ver os alas subindo muito para o ataque e deixando a desejar na recomposição defensiva. Se os adversários atacarem por ali, podem complicar a vida dos Nerazzurri.


Esse é o cara: Com a saída de Lukaku para o Chelsea, ficou a cargo de Lautaro Martínez ser a grande estrela do ataque interista. O argentino tem boa movimentação, um chute potente e é a esperança de gols da equipe.


Olho nele: Todos estarão de olho no desempenho de Çalhanoglu na sua casa nova. Saindo do rival Milan, o turco veio para ser o dono do meio-campo da equipe.


Palpite: Com o elenco reforçado e de técnico novo, a equipe deve brigar com o Real Madrid pela primeira colocação do grupo. Pode beliscar uma vaga nas quartas-de-final dependendo do sorteio.


REAL MADRID CF

Madrid, Espanha


Participações: 52

Melhor campanha: Campeão (1956 - 1957 - 1958 - 1959 - 1960 - 1966 - 1998 - 2000 - 2002 - 2014 - 2016 - 2017 - 2018)

Temporada passada: Semifinais

Estádio: Alfredo Di Stéfano (9.000 lugares)

Técnico: Carlo Ancelotti - ITA

Principais chegadas: D. Alaba (Bayern) / E. Camavinga (Rennes)

Principais saídas: R. Varane (M. United) / S. Ramos (PSG) / B. Díaz (Milan) / M. Odegaard (Arsenal)


O maior campeão europeu está passando por uma fase de transição. E mesmo assim, conseguiu alcançar as semifinais na temporada passada, mostrando a força e o peso de sua camisa. Mas, com as baixas relevantes que teve nesta janela de transferências, veremos até onde os Merengues podem chegar.


Esquema base: 4-3-3

Ponto forte: Ataque. O setor ofensivo dos Merengues ainda é um dos melhores da Espanha, e conta com opções como Benzema, Hazard, Vinícius Junior, Rodrygo e Bale. Agora é ver se será suficiente para ir longe na competição europeia.


Ponto fraco: Defesa Central. Foi o setor que mais sofreu percas relevantes, com a saídas de Varane e Sérgio Ramos. Agora, fica a cargo de Alaba e Éder Militão trazerem segurança ao time.


Esse é o cara: Desde a saída de Cristiano Ronaldo há algumas temporadas, ficou a cargo de Karim Benzema o ofício de marcar gols e ser a principal estrela da equipe. O francês não tem decepcionado até aqui, sendo o principal marcador da equipe.


Olho nele: De nascido em um campo de refugiados a ser contratado pelo maior clube do mundo. A vida de Camavinga já daria um filme só por isso. A nova joia francesa chega com status de promessa e será interessante acompanhar a sua evolução no time de Madrid.


Palpite: Apesar das percas consideráveis que teve no elenco, ainda estamos falando do maior campeão do torneio. O sorteio foi bem favorável e provavelmente brigará com a Inter pelo primeiro lugar do grupo. Nas fases decisivas, precisará que o elenco esteja entrosado e que as lesões não atrapalhem para poder chegar longe na competição. Pode alcançar as quartas-de-final.


SHAKHTAR DONETSK

Donetsk, Ucrânia


Participações: 16

Melhor campanha: Quartas de final (2011)

Temporada passada: Fase de grupos

Estádio: NSK Olimpiskyi (70.050 lugares)

Técnico: Roberto De Zerbi - ITA

Principais chegadas: Pedrinho (Benfica) / Marlon (Sassuolo) / L. Traoré (Ajax)

Principais saídas: E. Sobol (Brugge) / D. Khocholava (Copenhagen)


Os ucranianos voltaram a fase de grupos e se deparam novamente com Real Madrid e Inter, como na temporada passada, e o time conseguiu superar as expectativas. Será que nesta temporada a equipe consegue repetir o feito?


Esquema base: 4-2-3-1

Ponto forte: Contra-ataque. A característica principal do time é a posse de bola. Mas, quando consegue algumas escapadas de contra-ataque, aproveitando a velocidade de Solomon e Tetê, tem sido letal.


Ponto fraco: Ataque. Desde a lesão de Júnior Moraes, o ataque da equipe ucraniana não tem sido tão letal assim. Tanto é que só passou para a fase de grupos por conta de um gol contra.


Esse é o cara: Marlos. O brasileiro de 33 anos é o principal articulador da equipe, orquestrando os ataques e servindo os seus companheiros com assistências precisas.


Olho nele: Manor Solomon tem crescido muito de produção desde que chegou em 2019, e vem confirmando o status de promessa da equipe. Atuando mais no lado esquerdo do ataque, tem velocidade, um bom drible e gosta de complicar a vida da defesa adversária.


Palpite: Os ucranianos sofreram muito para chegar até a fase de grupos. E, de novo, enfrentarão Real Madrid e Inter na busca por um lugar na próxima fase. Precisarão jogar muito como na temporada passada e contar com algumas doses de sorte para se classificarem. Deve ir à Liga Europa.


FC SHERIFF TIRASPOL

Tiraspol, Moldávia


Participações: Estreante

Melhor campanha: Estreante

Temporada passada: Não participou

Estádio: Sheriff (13.300 lugares)

Técnico: Yuriy Vernydub - UCR

Principais chegadas: G. Athanasiadis (AEK) / B. Nikolov (Lecce) / D. Kolovos (Panathinaikos)

Principais saídas: V. Dijinari (Milsami) / R. Gadze (Bnei) / V. Posmac (Tuzlaspor)


Depois de várias temporadas caindo nas fases classificatórias, o Sheriff desta vez não deu sopa para o azar e enfim vai estrear na maior competição europeia de clubes. Até onde o estreante pode chegar?


Esquema base: 4-2-3-1

Ponto forte: Defesa. Como visto no confronto contra o Dínamo Zagreb, o time não tem medo de dar a bola ao adversário e se fechar na defesa. E contando com a boa fase do goleiro


Ponto fraco: Ataque. Nas poucas oportunidades que cria, o time desperdiça a maioria delas. Precisará colocar o pé na forma se quiser sonhar com algo mais nesta temporada.


Esse é o cara: Frank Castañeda chegou em 2020 e logo se tornou um dos principais jogadores da equipe. Atuando tanto na esquerda quanto no comando de ataque, o colombiano é um dos responsáveis pela classificação histórica do clube.


Olho nele: A torcida tem altas expectativas sobre o que Dimitrios Kolovos pode fazer a serviço do clube. O grego veio para ser o principal armador da equipe.


Palpite: Estar na fase de grupos é a realização de um sonho para o clube. E nem as derrotas que sofrerá ao longo da competição tirará o brilho da estreia. Provavelmente ficará na lanterna do grupo.


GRUPO E - Os Bávaros e os outros

Com grande favoritismo do Bayern, resta saber quem o acompanhará na próxima fase da competição


FC BAYERN MUNICH

Munique, Alemanha


Participações: 38

Melhor campanha: Campeão (1974 - 1975 - 1976 - 2001 - 2013 - 2020)

Temporada passada: Quartas de final

Estádio: Allianz Arena (75.024 lugares)

Técnico: Julian Nagelsmann - ALE

Principais chegadas: D. Upamecano (RB Leipzig) / M. Sabitzer (RB Leipzig) / S. Ulreich (HSV)

Principais saídas: D. Alaba (R. Madrid) / J. Martínez (Qatar SC) / J. Boateng (Lyon)


O gigante da Baviera vem para mais uma edição de Champions bastante cotado ao título. Apesar de perder o seu treinador para a seleção alemã, o clube trouxe Julian Nagelsmann, um dos treinadores mais promissores da Alemanha, e se reforçou com bons jogadores, todos vindos do RB Leipzig. Resta saber se o novo comandante conseguirá repetir o sucesso do seu antecessor.


Esquema base: 4-2-3-1

Ponto forte: O ataque do Bayern não tem dó nem piedade. Liderados por Lewandowski, e com nomes como Gnabry, Coman, Sané e Müller para auxiliá-lo, os bávaros tem no seu poderio ofensivo a sua maior qualidade.


Ponto fraco: Transição defensiva. Como é muito comum, o time sobe todo para o ataque e quando perde a bola, sofre muito para recompor, levando vários contra-ataques durante o jogo. Nagelsmann terá muito trabalho para resolver isso.


Esse é o cara: O atual melhor jogador do mundo parece melhor a cada ano que passa. Robert Lewandowski continua letal, marcando gols a rodo. Nesta temporada, o polonês vem mais motivado do que nunca na busca de mais um troféu europeu.


Olho nele: Depois de boas atuações na defesa do Leipzig, os bávaros decidiram pagar mais de 40 milhões de euros para trazer Dayot Upamecano para ser o companheiro de Nicklas Süle na defesa. Veremos como ele se sairá na sua primeira temporada no clube.


Palpite: Mesmo com as mudanças recentes no elenco e no comando técnico, o Bayern mantém o status de um dos favoritos a conquista da taça. Deve passar com sobras pelo grupo e, nas fases mais agudas, precisará de um Lewandowski inspirado para seguir adiante. Deverá chegar até as semifinais.


FC BARCELONA

Barcelona, Espanha


Participações: 32

Melhor campanha: Campeão (1992 - 2006 - 2009 - 2011 - 2015)

Temporada passada: Oitavas de final

Estádio: Camp Nou (99.354 lugares)

Técnico: Ronald Koeman - HOL

Principais chegadas: S. Agüero (M. City) / E. García (M. City) / L. de Jong (Sevilla) / M. Depay (Lyon)

Principais saídas: L. Messi (PSG) / A. Griezmann (A. Madrid) / J. Firpo (Leeds) / E. Royal (Tottenham) / M. Pjanic (Besiktas)


Depois de anos gastando dinheiro a rodo, parece que enfim a crise bateu nas portas do Camp Nou. E, de uma tacada só, o clube mandou embora vários jogadores com salários astronômicos, incluindo o maior jogador de sua história, Lionel Messi. Agora, com menos talento a seu dispor, veremos até onde Ronald Koeman conseguirá levar o gigante catalão na competição.


Esquema base: 4-3-3

Ponto forte: Velocidade. Ao contrário dos tempos de ouro, o time de Koeman presa muito pela velocidade e pela definição rápida das jogadas. O time conta muito com as ultrapassagens de Dest pela direita e de Alba pela esquerda para criarem jogadas de linha de fundo.


Ponto fraco: Ataque. Foi o setor que mais sofreu baixas, incluindo a saída de Messi, que era a garantia de pelo menos 30 gols por temporada. Agora, Depay e Agüero serão os responsáveis por manter o alto poderio ofensivo dos catalães.


Esse é o cara: Sergio Busquets é o pilar do meio-campo catalão. Com sua visão de jogo privilegiada e passe milimétrico, coordena as ações ofensivas e defensivas da equipe.


Olho nele: Memphis Depay tinha o sonho de defender os catalães e enfim conseguiu concretizar nesta temporada. O holandês chegou e já está fazendo a diferença, assumindo o comando de ataque da equipe.


Palpite: Apesar da crise que vive, não deve ter muitas dificuldades perante os adversários do grupo, exceto o Bayern. É candidato à segunda vaga do grupo e, nas fases eliminatórias da competição, precisará contar com a sorte para ir longe.


SL BENFICA

Lisboa, Portugal


Participações: 38

Melhor campanha: Campeão (1961 - 1962)

Temporada passada: Não participou

Estádio: Estádio da Luz (65.000 lugares)

Técnico: Jorge Jesus - POR

Principais chegadas: J. Mário (Inter) / R. Yaremchuk (Gent) / G. Dias (Mônaco) / S. Meïte (Torino)

Principais saídas: Pedrinho (Shakhtar) / L. Waldschmidt (Wolfsburg) / N. Tavares (Arsenal) / F. Cervi (Celta)


Depois de sofrerem nas fases classificatórias, enfim os Encarnados estão de volta à Liga dos Campeões. Os portugueses tiveram que despachar o PSV para chegarem até aqui, e terá que lutar ainda mais se quiser seguir adiante. Jorge Jesus terá trabalho para frear os ataques de Bayern e Barcelona.


Esquema base: 3-4-2-1

Ponto forte: Transição ofensiva. O Benfica chega muito rápido à área adversária, geralmente usufruindo da velocidades dos seus atacantes e dos lançamentos precisos que o meio-campo fornece.


Ponto fraco: Marcação. João Mário e Julien Weigl são bons na saída de bola e sabem armar bem a equipe, mas na marcação, deixam muito a desejar. Contra equipe bem organizadas, a dupla tende a sofrer mais do que o costume.


Esse é o cara: Grimaldo já está fazendo hora extra na lateral esquerda dos Encarnados. Dono de um bom fôlego e de um cruzamento preciso, ajuda tanto na parte defensiva quanto na ofensiva, sendo uma das principais válvulas de escape da equipe.


Olho nele: Dawin Núñez vem ganhando minutos e vem correspondendo com gols e muita jogadas perigosas. Aos 22 anos, o uruguaio é a grande aposta da equipe.


Palpite: O time de Jorge Jesus não teve tanta sorte assim, com Bayern e Barcelona entre os seus desafiantes por um lugar na próxima fase. Precisará jogar como nunca para conquistar a segunda vaga do grupo. Deve ficar com a vaga na Liga Europa.


DYNAMO KYIV

Kiev, Ucrânia


Participações: 30

Melhor campanha: Semifinais (1977 - 1987 - 1999)

Temporada passada: Fase de grupos

Estádio: NSK Olimpiskyi (70.050 lugares)

Técnico: Mircea Lucescu - ROM

Principais chegadas: Vitinho (Athletico PR) / E. Ramírez (D. Streda) / V. Kulach (V. Poltava)

Principais saídas: Sidcley (PAOK) / Fran Sol (Eibar)


Os ucranianos não tem tido muita sorte na competição, onde enfrentam grupos complicados e quase sempre ficam pelo caminho. Nesta temporada não será diferente, já que tem três gigantes europeus como adversário. Mircea Lucescu terá trabalho para conseguir organizar a equipe e conquistar o acesso à próxima fase.

Esquema base: 4-2-3-1

Ponto forte: Pontas. As principais jogadas ofensivas do time saem dos pés de Tsygankov e de Pena, jogadores que atuam abertos pelos lados do campo.


Ponto fraco: Bola aérea. A cada cruzamento na área defensiva do Kiev, os torcedores sentem calafrios. O zagueiros são péssimos nas bolas altas, o que pode colocar a equipe em apuros contra adversários mais qualificados.


Esse é o cara: Viktor Tsygankov é o cara da vez em Kiev. Herdeiro de Yarmolenko na ponta direita, o ucraniano já é figurinha carimbada na seleção nacional. Com sua jogada característica, o corte para dentro e chute de esquerda, tem resultado em gols importantes para a equipe.


Olho nele: Mykola Shaparenko teve um começo tímido, mas vem evoluindo a ponto de se tornar dono de uma das posições do meio-campo. Como um exímio box-to-box, ele ajuda tanto na parte defensiva quanto na construção das jogadas ofensivas.


Palpite: Deu azar de cair em mais um grupo complicado. Deverá usar a Liga dos Campeões para dar rodagem a alguns jogadores importantes, mas ainda jovens demais. Deverá ser o lanterna do grupo.


GRUPO F - Por um lugar no céu

A disputa vai ser apertada para vem quem vai à próxima fase.


VILLARREAL CF

Villarreal, Espanha


Participações: 4

Melhor campanha: Semifinais (2006)

Temporada passada: Não participou

Estádio: La Cerámica (23.500 lugares)

Técnico: Unai Emery - ESP

Principais chegadas: B. Dia (Reims) / A. Mandí (Bétis) / A. Danjuma (Bournemouth)

Principais saídas: R. Funes Mori (Al-Nassr) / J. Costa (Mallorca) / C. Bacca (Granada)


Na última vez que o Villarreal jogou a Liga dos Campeões, o mundo estava prestes a acabar. Brincadeiras a parte, o clube retorna muito mais estruturado e com um título de peso no currículo, a Liga Europa da temporada passada. Será interessante ver até onde o Submarino Amarelo poderá chegar sob as ordens de Unai Emery.


Esquema base: 4-4-2

Ponto forte: Liderados por Dani Parejo e Trigueiros, o meio-campo é o principal setor do time. Eles rodam a bola com passes milimétricos e muita calma, sempre esperando a oportunidade perfeita para servirem os seus companheiros.


Ponto fraco: Laterais. Com o DNA muito ofensivo da equipe, os laterais subiam demais e deixavam um espaço enorme nas costas, que ocasionavam diversos contra-ataques. O problema foi amenizado com Foyth pela direita, mas ainda persiste no lado esquerdo.


Esse é o cara: Gerard Moreno foi extremamente decisivo na temporada passada, e nessa já marcou o seu gol na única partida que fez até aqui. É a referência no ataque dos espanhóis.


Olho nele: Juan Foyth foi uma das grandes surpresas da temporada passada, e o seu desempenho agradou tanto que a diretoria exerceu a sua compra junto ao Tottenham. Agora, deverá provar que o investimento valeu a pena.


Palpite: O Submarino Amarelo tem chances reais de passar de fase, coisa que não acontece desde 2008/09. Mas para isso, precisará jogar como na temporada passada para conseguir os resultados. Brigará ponto a ponto com a Atalanta pelo segundo lugar do grupo.


MANCHESTER UNITED

Manchester, Inglaterra


Participações: 30

Melhor campanha: Campeão (1968 - 1999 - 2008)

Temporada passada: Fase de grupos

Estádio: Old Trafford (74.879 lugares)

Técnico: Ole Gunnar Solskajer - NOR

Principais chegadas: C. Ronaldo (Juventus) / J, Sancho (B. Dortmund) / R. Varane (R. Madrid)

Principais saídas: D. James (Leeds) / S. Romero (Passe Livre) / A. Tuanzebe (A. Villa)


Após o fiasco na temporada passada, em que caiu na fase de grupos, o Manchester United decidiu abrir a carteira para se reforçar. Pagou caro para trazer Sancho e Varane, dois jogadores que vem para resolver problemas crônicos da equipe. Mas a jogada de mestre mesmo foi o retorno de Cristiano Ronaldo, que estava prestes a reforçar o rival City. Com ele em campo, o time pode sonhar muito com a conquista.


Esquema base: 4-2-3-1

Ponto forte: Ataque. Desde que Bruno Fernandes passou a municiar os atacantes da equipe, o setor melhorou e muito. Agora com a presença de CR7, pode ter certeza que muitos gols virão pela frente.


Ponto fraco: Defesa. A linha defensiva deixa muito a desejar quando é pressionada e De Gea não inspira muita confiança nos torcedores. Tudo pode mudar quando Varane estrear. Mas por enquanto, é o ponto crítico do time.


Esse é o cara: Bruno Fernandes foi uma contratação certeira. A partir do momento que ele pisou em Old Trafford, o meia português começou a fazer gols e distribuir assistências, e o time começou a vencer jogando muito bem.


Olho nele: O homem está de volta, e mais motivado do que nunca. Aos 36 anos, Cristiano Ronaldo está feliz e com fome de gols. Será interessante acompanhar a trajetória do português nesse retorno.


Palpite: Se existe uma contratação que eleva o patamar de um time, essa é a de Cristiano Ronaldo. Com ele no comando do ataque, e com o futebol praticado no começo desta temporada, os Red Devils são candidatos reais a levantar a taça. Passa pela fase de grupos com certa tranquilidade e, a depender do sorteio, terá vida longa nas fases mais agudas da competição. Pode chegar até as semifinais.


ATALANTA BC

Bergamo, Itália


Participações: 3

Melhor campanha: Quartas de final (2020)

Temporada passada: Oitavas de final

Estádio: Gewiss Stadium (22.512 lugares)

Técnico: Gian Pero Gasperini - ITA

Principais chegadas: M. Demiral (Juventus) / J. Musso (Udinese) / T. Koopmeiners (AZ) / D. Zappacosta (Chelsea)

Principais saídas: C. Romero (Tottenham) / M. Barrow (Bologna) / P. Gollini (Tottenham)


Aquele futebol ofensivo, com alta intensidade e muitos gols marcados, parece estar perdendo o brilho. A Atalanta ainda é muito guerreira, mas tem sofrido muito neste começo de temporada. O time de Bermago se reforçou bem e pretende surpreender novamente, porém terá que lutar muito contra espanhóis e ingleses.


Esquema base: 3-4-2-1

Ponto forte: O contra-ataque dos italianos ainda é um dos mais perigosos da Europa. Com Gosens pela esquerda, Maehle pela direita, e com um trio de ataque muito rápido, a Dea causa muito prejuízo aos seus adversários.


Ponto fraco: Recomposição defensiva. Como atua sem laterais de ofício e com um trio de zagueiros, quando o adversário rouba a bola, encontra a defesa toda aberta e com muito espaço para avançar em direção ao gol.


Esse é o cara: Duván Zapata é o principal goleador do time. Teve um começo abaixo do esperado, mas parece estar reencontrando a sua melhor fase. Reveza o comando de ataque com Muriel.


Olho nele: Merih Demiral sempre teve talento, mas vinha sofrendo muito com a concorrência na defesa da Juventus. A Atalanta decidiu bancar a aposta e trouxe o turco por empréstimo com opção de compra. Terá a temporada inteira para confirmar o investimento.


Palpite: A Dea tem tudo para surpreender mais uma vez, mas para isso precisa acertar o sistema defensivo e continuar com o seu poderio ofensivo. Deve brigar ponto a ponto com o Villarreal pela segunda vaga à próxima fase. Se passar, pode chegar às quartas-de-final, dependendo do sorteio. Mas deve mesmo ficar com a vaga para a Liga Europa.


BSC YOUNG BOYS

Berna, Suíça


Participações: 7

Melhor campanha: Semifinais (1959)

Temporada passada: Não participou

Estádio: Stadion Wankdorf (31.783 lugares)

Técnico: David Wagner - ALE

Principais chegadas: Y. Toure (Newcastle) / J. Siebatcheu (Rennes)

Principais saídas: J. Kroning (Aarau) / G. Gaudino (Sandhausen) / T. Seferi (Tirana)


Depois de bater na trave por duas temporadas, os suíços estão de volta à Liga dos Campeões. O clube sabia que cairia num grupo com gigantes, mas não esperava 3 pedreiras como Manchester United, Villarreal e Atalanta. Os torcedores ficarão felizes se conseguirem alguns pontos.


Esquema base: 4-4-2

Ponto forte: Meio-campo. No confronto contra o Ferencváros, na fase preliminar, o time mostrou muita tranquilidade para rodar a bola e procurar os espaços necessários para marcar os gols. Tudo isso com um homem a menos.


Ponto fraco: Saída de bola. É mais que normal ver erros dos zagueiros quando tentam sair jogando. Além disso, a cobertura defensiva deixa muito a desejar.


Esse é o cara: Meschak Elia é a grande referência do ataque suíço. Aos 24 anos, o atleta da RD do Congo já marcou 3 gols nesta temporada.


Olho nele: Jordan Siebatcheu chegou e já vem rendendo o suficiente para justificar o seu investimento. Nesta temporada, tem feito uma parceria prolífica com Elia, marcando 3 gols e distribuindo 1 assistência em 5 jogos.


Palpite: Não deu sorte de cair num grupo mais acessível, e deve sofrer para conseguir os resultados. Deve ser o lanterna do grupo.



GRUPO G - Pode ser no detalhe

No grupo com cara de Liga Europa, qualquer algo a mais pode definir a classificação


LOSC LILLE

Lille, França


Participações: 7

Melhor campanha: Oitavas de final (2007)

Temporada passada: Não participou

Estádio: Stade Pierre-Mauroy (50.186 lugares)

Técnico: Jocelyn Gourvennec - FRA

Principais chegadas: A. Onana (HSV) / G. Gudmunsson (Groningen) / I. Grbic (A. Madrid)

Principais saídas: B. Soumaré (Leicester) / M. Maignan (Milan) / L. Araújo (Atlanta) / J. Onana (Bordeaux)


Os franceses retornam à Liga dos Campeões depois de uma temporada de ausência, e com uma grande conquista no currículo: conseguiram ganhar o campeonato francês do PSG. Bom, e como todo time que se destaca, teve alguns dos principais destaques comprados por clubes de maior poder aquisitivo. O sorteio foi favorável, e o clube tem chances de passar à próxima fase, o que não acontece desde 2007.


Esquema base: 4-4-2

Ponto forte: Bola aérea. Com jogadores do porte de Yilmaz, Ikoné, Fonte, Botman e David, Lille sempre leva perigo nos cruzamentos na área adversária, seja com a bola parada ou rolando.


Ponto fraco: Os laterais da equipe são péssimos no posicionamento defensivo, e deixam verdadeiras avenidas para os adversários. É comum ver um zagueiro deixando a sua posição para tentar cobrir o erro do lateral.


Esse é o cara: Burak Yilmaz é o dono do ataque francês. O turco de 36 anos foi fundamental para a conquista do campeonato nacional na temporada passada e terá a responsabilidade de levar o time à próxima fase da competição.


Olho nele: Sven Botman foi uma das gratas surpresas na temporada passada, atuando ao lado de José Fonte no miolo de zaga. Agora, terá a oportunidade de comprovar o seu talento em um palco maior.

</